sábado, 10 de novembro de 2012

"...e o mundo merece lê-lo"


Na publicação passada falei de esperas e esperanças. Desejos, diante dos quais, pouco ou nada fiz para colaborar com suas realizações. Ainda assim, exigi...Uma natureza menos violenta, menos agressiva, embora sabendo que sua revolta tem plena razão de ser. Cobrei uma relação mais sociável, mais harmônica entre os humanos. Entre as esperanças: "...que os meus antigos leitores se organizem em bloco para exigir"...a minha volta! (Apenas uma brincadeirinha...).
Concluí que  "espero demais, em tempo e em volume".
Nesse compasso, às vezes, cai do céu o Inesperado. E enche todas as medidas! Foi assim:

Pois é. Estive lá.
Teatro Municipal de Ilhéus. 
Objetivo: Apreciar o espetáculo "...ou isso"



O alcance ultrapassou infinitamente  o resultado esperado... Uma viagem!
O guia foi ninguém menos que Manoel de Barros, o imenso poeta que recria o unoverso cotidiano. E os atores-bailarinos brincaram com os 'deslimites' das palavras, tirando-as do seu 'estado de dicionário', 'voando fora da asa', lembrando que ' a expressão reta não sonha'.
Um grito (dançado, cantado e recitado) contra o suposto predomínio da razão como  única  forma válida de conhecimento ( para explicar o mundo) e que faz do olhar um instrumento  criminoso, matador da sensibilidade, do sonho,das utopias e da lupa caçadora dos detalhes delicados do mundo que nos cerca.


[A bênção, meu querido poeta, que me convidou já há algum tempo a segui-lo na máxima:"O olho vê, a memória revê e a imaginação transvê...É preciso transver o mundo"] .


Os artistas em palco estavam muito mais próximos de nós do que daqueles admiráveis  corpos "perfeitos" das sílfides e bailarinos convencionais do dito balé clássico. Foi como se tivéssemos invadido um recinto de "dança de salão",onde qualquer limite corporal ia sendo ultrapassado a cada movimento inesperado e inédito. Como aquela dança sem som. Um silêncio provocador no qual a música, ou o texto, era criada em nossa própria imaginação. Ligando o coração e a mente compúnhamos uma sinfonia própria que acompanhava o delírio dos bailarinos. 


Eu diria que tal composição se moldava muito mais pelos sinais de pontuação que por notas ou palavras . Um interno desfilar de exclamações, interrogações, reticências silenciosas e criadoras, ou interjeições - Oh!...Céus!...Que é isso meu Deus!...Putz!...Uff!...Nossa!........E o sentimento ia-se deliciando, flutuando no uso do transporte interativo da música, da dança, do poema, onde  sequer faltou a presença de Cartola ( Autonomia - "É necessária uma nova abolição, pra trazer de volta a minha liberdade" - Divino!), de Maysa cantando "Manhã de Carnaval", presenças que calaram fundo na alma de uma platéia hipnotizada, em que até as crianças presentes silenciaram. Para explodirem em aplausos no final da performance de 1 hora e 20 minutos  ininterruptos.


Diria Manoel de Barros : As coisas não querem ser vistas por pessoas razoáveis, elas querem ser vistas de azul...E quem tentar entender, só vai ver beleza.


O cotidiano se fez representar através de novos conceitos. E os "utensílios" surgem fascinantes: o "esticador de horizontes" , "o abridor de amanhecer" crias do poeta. Ou  o termômetro emperrado em 36 graus e meio, trazendo tranquilidade ao hipocondríaco, ou as inúmeras antigas lentes de óculos usados, guardadas em aquário desativado, lembrando as infinitas paisagens vistas outrora...Que sensação de plenitude o momento dos abraços demonstrativos do desvalor dos gestos convencionais. Plenitude  facilmente comprovada pelo nó preso na garganta e na lágrima não viajada pela face, mas em estado de suspensão.


Se somos tão somente "sistemas nervosos", como você quer ( e eu não acredito), esses "nervos" podem ser tangidos como cordas de emocionante violão e criam...Arte!


"...a importância  de uma coisa não se mede com fita métrica, nem com balanças,  nem barômetros...que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa  produza em nós."


"...Para que o mundo não vá escurecendo e o homem não vá cegando aos poucos, esquecido do sono...de sonhar".
                                                                                A. Veiga -  poeta paraense


Uma amiga (só podia ser!) exagerando na dose escreveu-me no facebook:
"...cadê o texto tão lindo que você leu pra mim???.......Cadê???? Eu quero! E o mundo merece lê-lo!!! ( e esperou que eu o colocasse nesta publicação)

Atendendo a ela aqui está, embora não seja Poesia, tema constante deste blog.
Contudo querida, quero lhe lembrar: o mundo não lê poesia! Daí que o círculo de divulgação é (quase) insignificante...

Termino dizendo que, quem não compareceu ao teatro, saiu perdendo!


6 comentários:

Bel disse...

Só quem foi pode entender em sua plenitude… mas quem não foi pode ter uma leve idéia da magia que o Balé d TCA fez acontecer!
Obrigada por me dar a honra de poder ler e reler, relembrando mil vezes aquele ESPETÁCULO, com todas as letras maiúsculas! Queria eu poder escrever com essa delicadeza e profundidade que você faz! E não se engane, é poesia pura!!! ;)

Anônimo disse...

"...cadê o texto tão lindo que você leu pra mim???.......Cadê???? Eu quero! E o mundo merece lê-lo!!!”
Não ousei sugerir.
............................
O que em mim se dizmente
Governa e desgoverna
É eu antes de mim
(Abençoado seja o sistema fervoroso)

Bel disse...

Besta foi você, que não sugeriu, Sr. Anônimo!!! :p Eu peço, e sou atendida, viu? Viu? Viu???

Anônimo disse...

Paparazza di mio cuore.

Sugeri outros possíveis textos e não fui atendido.
Desisti.

“Eu peço, e sou atendida, viu? Viu? Viu???”
Panelinha das acupuntarizadas...

Bel disse...

Bléh pra você, Sr. Anônimo!
E beijo tb!

Marlove disse...

Dinah, Estávamos no mesmo espetáculo! Você, com sua palavra/ poesia, soube descrever com tanta sutileza o belíssimo espetáculo que nos foi oferecido pelo Corpo de Balé do Teatro Castro Alves. Luzes, poesia, dança, balões vermelhos contrastando com os cinquenta tons de cinza, sombrinhas que dançavam no lento... abrir e fechar, passeio de bicicleta e maravilhosas expressões corporais. Vou reler várias vezes o seu texto
para rememorar aquele momento único.